Educação

Programa de extensão promove autonomia e protagonismo juvenil

17 de junho de 2019

Da redação

O aluno Jhonatan Geovane, de apenas nove anos de idade, já sabe o valor que a leitura tem e o quanto ela pode abrir portas para uma viagem inesquecível. Ele participa quinzenalmente da oficina “Leitura é Vida”, uma das ações promovidas pelo Humanismo Caboclo, programa de extensão da Universidade Estadual do Piauí (Uespi). A oficina é realizada aos sábados, na Escola Municipal Professor João Porfírio de Lima Cordão, localizada na zona sudeste de Teresina.

 

Foto – Paulo Barros

 

Desde 2016, são desenvolvidas ações de incentivo à leitura com crianças de Teresina pelo programa. A oficina nasceu com o projeto “Amigos do Livro e outras Nuvens”, realizado no bairro Santa Maria da Codipi e, depois, em 2017, foi transformado em um programa, transmitido pela Rádio Antares, sobre dicas de livros e contação de histórias. Ele começou a ser realizado na Escola Municipal Nossa Senhora da Paz até chegar nos alunos da escola Lima Cordão, valorizando o gosto pela leitura.

Ao todo, 20 crianças participam das atividades quinzenais coordenadas pelos educadores Willian Feitosa da Silva Júnior e Luciano Melo. Mas foi a partir de uma votação para a escolha dos nomes da oficina, que Jhonatan Geovane se destacou. Teve sua sugestão escolhida e a oficina, literalmente, ganhou vida. “Quando a gente ler é como se a gente fosse para outra vida, porque têm personagens nas histórias e pensamos que estamos dentro dela também, por isso que, para mim, leitura é vida. Como gosto muito de ler, com as oficinas melhorei muito minha leitura”, diz o aluno.

“O objetivo desse projeto é reunir as crianças para ler, discutir sobre o que leu, falar sobre o que pensa, fazer pesquisa e dialogar. Então, esse é o grande norte desse projeto: fazer da leitura algo que inspira nossa vida. Acho que a leitura é isso, fazer você pensar como sujeito”, conta o coordenador do programa, Luciano Melo.

O programa

O Humanismo Caboclo é vinculado à Coordenação do Curso de Ciências Sociais, no qual as áreas temáticas são educação e cultura. O curso, que está em constante produção de projetos de extensão, participou pela primeira vez do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) em 2017 e foi destaque, com a nota 4 nos campi de Teresina e Parnaíba.

O programa desenvolve ações desde o ano de 2010, como explica Luciano Melo, mestre e doutor em Ciências Sociais. “O programa surgiu com um projeto de educação para jovens do campo na Fundação Santa Ângela, em Pedro II, quando veio a ideia. Era um projeto de educação, mas, ao mesmo tempo, voltado para um público mestiço, miscigenado. Pensando nisso, fizemos uma educação que dialoga com o povo brasileiro. Então, começamos a fazer um curso inspirado na educação popular, mas depois fomos realizando atividades de comunicação, leitura e teatro, fazendo, assim, um diálogo múltiplo, por isso é um programa, porque desenvolvemos várias ações”, destaca o docente.

No início, o Humanismo Caboclo desenvolvia apenas o Curso de Formação de Educadores Jovens do Campo, voltado para jovens camponeses piauienses, a fim de discutir a realidade do campo, as lutas dos povos camponeses, as juventudes e seus desafios. Com essa reflexão, busca potencializar a participação de jovens na construção de uma sociedade verdadeiramente democrática e justa. Este ano, iniciou uma parceria nova com a Fundação Padre Antônio Dante Civiero (Funaci), de Teresina, sendo executado em módulos, com estudantes provenientes de Escolas Famílias Agrícolas, do terceiro ano do curso técnico.

Com informações de Governo do Piauí



Banner Marcelino piaui