Sem repasses

Entidades de saúde do Piauí ameaçam não atender o Plamta por falta de pagamentos

15 de fevereiro de 2019

Da redação

 

O Ministério Público Estadual realiza, na manhã desta sexta-feira (15), audiência com representantes do Sindicato dos Hospitais e Clinicas do Piauí e do Instituto de Assistência à Saúde do Servidores Públicos(Iaspi).

 

 

A audiência discute atrasos de pagamentos  e de contratos entre o Iaspi e os hospitais e clínicas particulares. O presidente do SINDHOSPI, Jefferson Campelo, informou ao Cidadeverde.com que alguns estabelecimentos em saúde estão sem receber valores referentes a contratos do mês de outubro e novembro. “O déficit é algo em torno de R$ 20 milhões”, afirma Jefferson.

A diretora geral do Iaspi, Daniella Aita, não compareceu à audiência. Diretores financeiros do Instituto participam da reunião e admitem que a Secretaria Estadual de Fazenda (Sefaz) deixou de repassar R$ 104 milhões ao Iaspi.

Os repasses são referentes  às consignações do Iaspi, Plamta e co-participações do Iapep Saúde.

O promotor Fernando Santos, da 44ª promotoria, disse que em tabela apresentada pelo Iaspi, consta que de julho a dezembro de 2018 a Sefaz “não repassou nada” ao Estado. O MP instaurou inquérito civil para apurar a suposta improbidade administrativa. “O principal problema tem sido  a ausência de repasse regular da Sefaz para o Iaspi”,  disse o promotor.

Diretores de hospitais participam da audiência. Alguns ficaram com os ânimos exaltados e disseram que a reunião é “uma farsa” , que não vai resolver nada. Eles criticam que o Iaspi é uma “autarquia sem autonomia financeira” e pedem uma reunião com o governador Wellington Dias.

A diretoria financeira do Iaspi afirma que o pagamento referente a outubro já foi feito e que até a próxima semana vai pagar os valores do mês de novembro aos hospitais e clínicas.

O presidente do Sindhospi, afirma que se o governo não fazer o pagamento do mês de novembro na próxima semana, os prestadores em saúde devem paralisar atendimentos pelo Iaspi-Plamta.

“Aqui na audiência obtivemos o compromisso do Iaspi que afirmou que vai comecar a pagar o mês de novembro nesta segunda-feira. Se isso não for cumprido, evidentemente, que a única arma  que nós teremos é a paralisação”, disse Jefferson Campelo.

O MP definiu prazo de 20 dias para o governo  fazer ajustes contratuais com os prestadores de saúde.

Fonte: Com informações de Cidadeverde.com



Banner Marcelino piaui