Energia eólica

Piauí tem maior parque eólico em construção na América do Sul

17 de setembro de 2019

Da redação

 

O Piauí está entre os maiores produtores de energia limpa do Brasil, ocupando o quinto lugar entre os maiores produtores de energia eólica do país. Da mesma forma que o estado produz energia, gera também empregos em diversas áreas e oportunidades de melhoria de vida para os piauienses. Os bons ventos da região nordeste, considerados constantes e estáveis, têm contribuído para o excelente desempenho: o Piauí produz 1638,10 megawatts (MW) de energia eólica.

 

A região no Piauí é propícia para a produção de energia eólica – Reprodução TV CCom

 

Para que toda essa produção de energia seja possível, milhares de trabalhadores que atuam tanto nos parques eólicos quanto nas fábricas que fornecem equipamentos são responsáveis por movimentar o setor produtivo, gerando um crescimento da economia nos municípios onde as empresas estão instaladas, com a Nordex/Acciona.

Inaugurada em 2018, a fábrica de torres eólicas Nordex/Acciona está instalada no município de Lagoa do Barro, a 540 km de Teresina, fabrica torres de concreto e fornece equipamentos para serem usados nos parques eólicos no Piauí. Mais de 400 empregos foram gerados com a instalação da empresa na região. Para a empresa Atlantic, proprietária da estrutura do Complexo Eólico Lagoa do Barro, já fabricaram 65 torres, que possui oito parques e potência instalada de 195 MW (megawatts), distribuídos em uma área de 2.854 hectares.

A prosperidade da energia eólica no estado vem mudando a vida de Bruno Amorim, morador do município de Queimada Nova, cidade vizinha a Lagoa do Barro, que hoje é assistente de qualidade na fábrica. Ele conta que antes só havia trabalhado na informalidade e foi a primeira oportunidade de trabalhar com carteira assinada.

“Esse projeto eólico aqui na região foi minha primeira oportunidade de trabalhar de carteira assinada. Estou gostando bastante de trabalhar aqui, aprendendo coisas novas, que eu não aprenderia, pois geralmente na cidade prevalecem os empregos informais. Daqui para frente, espero terminar esse projeto e continuar em outros”, ressalta Bruno.

A Nordex/Acciona está instalada há mais de um ano na cidade de Lagoa do Barro e, além de produzir equipamentos para a empresa Atlantic, fabrica insumos também para os demais parques do estado, que não precisarão importar as torres de 120m que sustentam as hélices e o aerogerador.

O coordenador de torres José Maria Melo explica os projetos realizados pela fábrica e empregos gerados.

“Iniciamos o projeto produzindo torres de concreto para a Atlantic e logo após o encerramento desse projeto iniciamos a nova etapa, que é a Lagoa dos Ventos, outro projeto bem audacioso, chegando a quatro vezes mais do que já foi produzido no primeiro projeto, com mais de 409 pessoas efetivadas e a perspectiva da empresa é fazer mais contratações e chegarmos a um patamar de 450 pessoas ligadas ao processo fabril de torres de concreto. A previsão é de que esse projeto seja instalado daqui a um ano meio”, diz Melo.

Atualmente, a fábrica está produzindo mais 230 torres para o Complexo Eólico Lagoa dos Ventos, que está sendo construída pela Enel Green Power Brasil (EGP) nos municípios de Lagoa do Barro, Queimada Nova e Dom Inocêncio.

Lagoa dos Ventos, que deve entrar em operação em 2021, é o maior parque eólico atualmente em construção na América do Sul e o maior parque eólico da EGP no mundo. Quando estiver em plena operação, será capaz de gerar mais de 3,3 TWh por ano, evitando a emissão de mais de 1,6 milhão de toneladas de CO2 na atmosfera.

Empregos e desenvolvimento social

“Os projetos de energia eólica no Piauí não só geram inovação no setor e proporcionam oportunidades de trabalho, embora isso seja de grande importância, pois os moradores da região são priorizados onde as fábricas estão instaladas, mas vai para, além disso: vem trazendo dignidade para o povo piauiense, que enxerga a perspectiva de mudança de vida”, destaca o governador Wellington Dias.

Hélio de Sá, encarregado de reparos, também é uma das pessoas beneficiadas pela geração de emprego que esses grandes empreendimentos levaram à região.

“Estou trabalhando aqui há mais ou menos um ano e seis meses. Entrei como pedreiro e agora sou encarregado de reparos. Temos o privilégio de trabalhar em nossa cidade, a qual a empresa trouxe uma estrutura financeira, oportunidades de emprego e abriu horizontes”, destaca o trabalhador.

Com informações de CCOM



Banner Marcelino piaui