#VAZA JATO

Aécio Neves vira réu por corrupção e outros crimes

06 de julho de 2019

Da redação

 

O juiz federal João Batista Gonçalves, da 6ª Vara Criminal Federal em São Paulo, confirmou recebimento de denúncia contra o deputado Aécio Neves (PSDB-MG). Com isso, o tucano tornou-se réu por corrupção passiva e tentativa de obstrução judicial das investigações da Lava Jato.

 

 

Aécio Neves teria recebido R$ 2 milhões em propina de Joesley Batista – Foto – Sérgio Lima/PODER 360

 

A denúncia foi feita em 2 de junho de 2017 pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot ao STF (Supremo Tribunal Federal), quando Aécio Neves ainda era senador.

Em abril de 2018, a 1ª Turma do STF aceitou a denúncia. Por não ser mais senador e os fatos terem ocorrido em mandato anterior, o caso foi enviado pelo Supremo à 1ª Instância. A denúncia foi ratificada pelo MPF-SP (Ministério Público Federal em São Paulo), e, agora, novamente recebida pelo magistrado da 6ª Vara.

Também tornaram-se réus, acusados de corrupção passiva, a irmã do senador Andréa Neves, seu primo Frederico Pacheco de Medeiros e o ex-assessor parlamentar do congressista Mendherson Lima.

A denúncia do MPF foi feita a partir de delações de Joesley Batista, do Grupo J&F, que afirmou ter pago propina no valor de R$ 2 milhões ao deputado.

Em troca, enquanto senador, Aécio teria articulado para tentar isentar investigados de crimes relativos a recursos de campanha não contabilizados e tentado direcionar delegados federais para atuar em inquéritos de seu interesse com a finalidade de beneficiá- lo.

Em março, o STF bloqueou R$ 1,7 milhão em bens do deputado. O caso estava sob investigação no STF e foi transferido para São Paulo após o Supremo decidir que o foro por prerrogativa de função dos parlamentares refere-se apenas a crimes cometidos no cargo e em função dele. Aécio na época era senador e, agora, é deputado federal.

Na decisão, de 2 de julho, o juiz federal João Batista Gonçalves, da vara de São Paulo especializada em crimes contra o sistema financeiro nacional e lavagem de dinheiro, determinou que Aécio e os outros réus sejam intimados para oferecer resposta à acusação.

Em nota, o advogado de Aécio, Alberto Zacharias Toron, afirmou que “não há fato novo ” e que vai “provar que Aécio foi vítima de ação criminosa de Joesley Batista”.

 

Com informações de Poder 360



piaui Banner Marcelino