Audiência pública

Após interdição da Evangelina Rosa, MP realiza audiência com FMS

22 de novembro de 2018

Da redação

 

Após a recente interdição ética do trabalho médico na porta de urgência da Maternidade Dona Evangelina Rosa, o presidente da Fundação Municipal de Saúde, Charles da Silveira, participou nesta quarta-feira (21) de audiência pública no Ministério Público e, posteriormente, na sede do Conselho Regional de Medicina.

 

Audiência pública – Foto – Reprodução – Viagora

 

A solicitação da FMS foi de que a medida não interfira negativamente nas atividades das maternidades da Prefeitura de Teresina. Entre as deliberações, ficou acertada a criação de um plano emergencial por parte dos órgãos fiscalizadores e da saúde para propor soluções e cobrar providências urgentes e efetivas.

Segundo Charles da Silveira, a rede de saúde do SUS é integrada, de modo que o funcionamento de cada parte viabiliza a fluidez de toda a rede: “As maternidades da Prefeitura possuem leitos suficientes para acolher gestantes de Teresina, com quadros clínicos considerados de baixo risco. Como somos referência no atendimento de mais 30 municípios do Piauí, é necessária a cooperação da MDER, que é referência no atendimento de alto risco, mas também possui leitos obstétricos para baixo risco, inclusive conta com Centro de Parto Normal.”, afirma.

Ele considera ser fundamental a organização da rede de saúde do Estado do Piauí: “Com a efetiva atuação de cada maternidade do interior do Piauí, podemos evitar a vinda desnecessária para Teresina de gestantes classificadas como de baixo risco. A organização de cada unidade acaba por desencadear a fluidez de toda a rede. Só se faz saúde pública de forma coletiva. O que não pode ocorrer é que assumamos o ônus da desídia dos gestores dos municípios do Piauí.”

A reunião teve também a participação dos membros da Fundação Municipal de Saúde, da Secretaria Estadual de Saúde do Piauí, do Ministério Público, da Câmara Municipal de Teresina, do Conselho Municipal de Saúde, do Tribunal de Contas do Estado, da Ordem dos Advogados do Brasil, de conselhos de classe e saúde e também membros da Universidade Federal do Piauí. Posteriormente, a presidência da Fundação Municipal de Saúde e a Secretaria de Estado de Saúde do Piauí, além de equipe técnica, se dirigiram à sede do Conselho Regional de Medicina.

Fonte: Com informações de Viagora



Banner Marcelino piaui